WEB RÁDIO VERDADE GOSPEL

ISLAIDE TESTE

ISLAIDE TESTE
webradioverdadegospel@gmail.com

DISPONÍVEL NA PLAY STORY

DISPONÍVEL NA PLAY STORY
DISPONIVÉL NA PLAY STORY

JOÃO 3:16

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. João 3:16

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
PUPLICIDADE

IBADEP TEOLOGIA

IBADEP TEOLOGIA
IBADEP TEOLOGIA

sábado, 30 de abril de 2022


 Keith Walters em depoimento sobre a decisão favorável que recebeu do Tribunal do Trabalho. (Foto: Captura de tela YouTube Christian Concern)

Uma crítica feita pelo Twitter que dizia que os eventos do orgulho LGBTQ são prejudiciais e não devem ser frequentados por cristãos e crianças levou o pastor Keith Waters à perda de emprego.

Segundo a juíza trabalhista King, o zelador escolar de 55 anos foi discriminado ao ser expulso de seu trabalho como zelador de meio período na escola primária da Ilha de Ely em 2019. Waters também passou a receber ameaças de morte.

O tribunal do trabalho decidiu a favor da liberdade do pastor Waters de expressar suas crenças bíblicas sobre identidade humana e moralidade sexual nas mídias sociais.

A decisão conclui ainda que os pastores que trabalham ao lado de seus ministérios da igreja são livres para expressar sua fé bíblica online sem medo de perder seus empregos.

O caso do pastor, que é apoiado pelo Christian Legal Center, mostra a interferência de seu empregador em suas liberdades. Foi o que demonstrou o advogado de Walters, Michael Phillips, ao argumentar que a escola da Ilha de Ely havia interferido nos direitos do pastor à liberdade de religião, pensamento e expressão e que o tuíte que levou à sua renúncia forçada foi devido à manifestação de suas crenças cristãs.

Liberdade de expressão

O caso julgado nesta semana decidiu que o pastor Waters havia sido discriminado pela escola: 

“O fato de o reclamante ter feito o tuíte fora do trabalho em sua conta pessoal como parte de seu papel como ministro é altamente relevante. Uma coisa é ter regras que se apliquem durante o trabalho e outra é estender essas regras à vida privada fora do trabalho”.

A juíza acrescentou que: “Restringir a liberdade de expressão do reclamante fora do trabalho, que é uma parte importante de seu papel como ministro cristão e, portanto, parte da liberdade de praticar sua religião”.

“Está claro para nós que os ministros cristãos evangélicos terão pontos de vista não necessariamente compartilhados por todos na sociedade, mas isso é parte de seu dever como ministro cristão de pregar essas crenças”, continua.

Crenças cristãs protegidas e 'dignas de respeito'

A juíza King fez outros pontos importantes sobre se as crenças cristãs do pastor Waters são protegidas pela Lei da Igualdade de 2010. Por exemplo, suas crenças são “dignas de respeito em uma sociedade democrática conforme descrito como parte do seminal Grainger PLC v Nicholson (2010) do que se qualifica como uma 'crença filosófica' a ser protegida pela Lei da Igualdade”.

“Discutimos as crenças do reclamante e ficamos convencidos de que o reclamante genuinamente mantinha essas crenças e que elas formavam uma parte considerável de como ele vivia sua vida como ministro cristão de sua Igreja. Para o reclamante, eles eram convincentes, sérios e da maior importância”, declarou a magistrada.

Ela disse ainda: “Crenças que são ofensivas, chocantes ou mesmo perturbadoras para os outros ainda podem ser protegidas.”

Aliviado

Diante da decisão exarada pelo Tribunal do Trabalho a seu favor, o pastor Waters disse: “Estou aliviado e satisfeito com o resultado. Esta é uma vitória, não apenas para mim, mas para os líderes evangélicos cristãos em todo o país”.

“Oro para que esta decisão ajude a proteger os pastores no futuro que precisam trabalhar meio período em outros empregos para compensar sua renda. Esta é uma vitória importante para nossa liberdade de falar a verdade do Evangelho sem medo de perder nossos empregos”.

“Tomei uma ação legal, não porque queria processar a escola, mas porque o que acontece comigo vai ao cerne do que significa ser livre para pregar o Evangelho no Reino Unido. Eu acreditava que os problemas que meu caso levantava eram muito maiores do que qualquer coisa que estava acontecendo comigo e que era a coisa certa a fazer”, esclareceu.

“Apesar de saber que isso era a coisa certa a fazer, todo esse episódio me deixou em uma turbulência emocional e teve um impacto duradouro em mim e minha família. Em 37 anos de trabalho, nunca fui tratado de forma tão cruel e hostil”, revelou o pastor. “A liberdade de renunciar ao seu trabalho ou ser silenciado de falar como um pastor cristão não é liberdade de forma alguma”.

“Eu ainda mantenho o que disse, e sempre defenderei a verdade. Acredito que a segurança das crianças é primordial e que todos, mas especialmente os pastores cristãos, devem ser capazes de expressar preocupações e 'levantar bandeiras vermelhas' onde as crianças podem estar em risco”, afirmou.

“Qualquer um que compareça a um evento 'Orgulho' corre o risco de ser exposto a obscenidades. Isso é evidentemente prejudicial para as crianças e em uma sociedade livre, responsável e verdadeiramente amorosa, devemos ser livres para dizer isso e levantar preocupação sem medo”.

Liberdade cristã

Andrea Williams, executiva-chefe do Christian Legal Center, disse que “Estamos felizes que Keith finalmente recebeu justiça neste caso crucial para a liberdade cristã”. 

“Por amar Jesus, falar a verdade bíblica e cuidar do bem-estar das crianças, Keith se tornou persona non grata – suas palavras e intenções distorcidas, seu caráter assassinado”, disse.

“Nossas escolas e igrejas precisam de mais pessoas voltadas para a comunidade como ele, não menos. Por enviar um tuíte, que levantou preocupação genuína com as crianças, ele foi difamado, ameaçado e expulso de seu emprego”, relembrou.

“Apesar de uma abundância de estudos psicológicos concluindo que crianças expostas a conteúdo sexualmente explícito em tenra idade são mais propensas a desenvolver distúrbios e vícios, há muitos artigos online que incentivam os pais a levar seus filhos para as paradas do orgulho gay”, declarou Andrea.

“Por que um pastor cristão não pode falar sobre questões tão preocupantes sem ser ameaçado e perder o emprego?”, indaga Andrea. “O que aconteceu com Keith Waters é o mais recente de uma longa linha de casos em que pessoas honestas, gentis e normais são submetidas a assédio e intimidação por expressarem visões cristãs moderadas e convencionais sobre ética sexual”.

Entendendo o caso

Em 2016, o pastor Waters teve um corte salarial de 60% de seu cargo como gerente de propriedades em uma das maiores faculdades da Universidade de Cambridge, para trabalhar meio período como zelador na Escola Primária da Ilha de Ely para poder pastorear sua Igreja Evangélica local, Ely Igreja Novas Conexões.

O trabalho foi assumido com o acordo de que, se houvesse um conflito com seu trabalho como pastor, suas atividades pastorais teriam prioridade.

Desde o início, ele disse que “seria inequívoco ao declarar publicamente a doutrina cristã sobre várias questões, algumas das quais podem ser impopulares”.

Em 1º de junho de 2019, no início do mês do orgulho LGBTQ, o pastor Waters tuitou:

“Um lembrete de que os cristãos não devem apoiar ou participar de eventos LGBTQ 'Pride Month' realizados em junho. Eles promovem uma cultura e incentivam atividades que são contrárias à fé e à moral cristã. Eles são especialmente prejudiciais para as crianças”.

O pastor Waters diz que sua intenção era abordar e alertar os cristãos sobre eventos de orgulho LGBTQ em todo o Reino Unido, pois geralmente envolvem nudez, pessoas em roupas sadomasoquistas e exibições de natureza abertamente sexual.

Ele acredita que os eventos de orgulho LGBTQ são diametralmente opostos às crenças cristãs sobre ética sexual e, portanto, são prejudiciais, especialmente para crianças pequenas que costumam frequentar ou são incentivadas a participar.

O Tribunal considerou que o pastor Waters foi discriminado. O valor da indenização que ele recebe será determinado em uma audiência posterior.

FONTE: rvg, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN CONCERN

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

NOSSOS OUVINTES,ONLINE, PELO MUNDO

Flag Counter

Heidi Baker sobre a perseguição: “Terroristas podem nos matar, mas não tiram Jesus de nós” A missionária, que vive em Moçambique há quase 30 anos, testemunhou histórias de fé durante a On Mission, em SP.

                               Heidi Baker durante ministração no On Mission, em SP. (Foto: Francielle Cecilia / Global Awakening) Uma das p...