WEB RÁDIO VERDADE GOSPEL

ISLAIDE TESTE

ISLAIDE TESTE
webradioverdadegospel@gmail.com

DISPONÍVEL NA PLAY STORY

DISPONÍVEL NA PLAY STORY
DISPONIVÉL NA PLAY STORY

JOÃO 3:16

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. João 3:16

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
PUPLICIDADE

IBADEP TEOLOGIA

IBADEP TEOLOGIA
IBADEP TEOLOGIA

quarta-feira, 3 de novembro de 2021

Pedra encontrada em Jerusalém traz representação da 'árvore do bálsamo de Gileade' Objeto de cerca de 2.000 anos foi encontrado por voluntários durante escavação arqueológica.

 

                                Pedra ametista representando a árvore de bálsamo. (Foto: Eliyahu Yanai / Cidade de David)

Nas últimas décadas antes da destruição do período do Segundo Templo, alguém - um judeu, possivelmente um peregrino - caminhava na imponente estrada que ligava a piscina de Siloé nos arredores de Jerusalém com o Monte do Templo. Para a ocasião importante, ele usava suas roupas e ornamentos mais preciosos, incluindo um anel delicado com uma pedra ametista lilás gravada. Mas, na multidão, o anel quebrou, a pedra vaiu no chão e depois no canal de drenagem subterrâneo, relata o Jerusalem Post.

Cerca de 2.000 anos depois, o minúsculo artefato foi recuperado por voluntários vasculhando o solo cavado durante uma escavação arqueológica na área.

Depois de examiná-lo, os especialistas encontraram uma surpresa adicional: a pedra iridescente provavelmente apresenta a primeira representação conhecida de uma planta mencionada com destaque na Bíblia, bem como em fontes judaicas e históricas posteriores, como a Cidade de Davi, segundo anunciaram a Autoridade de Antiguidades de Israel e a Autoridade de Parques e Natureza de Israel, nesta quinta-feira (21).

Conhecida como "bálsamo de Gileade" (tzari em hebraico), árvore de bálsamo (nataf) ou mais tarde no período Mishnaic "caqui", a planta - cujo nome científico moderno é commiphora gileadensis - era usada para produzir perfumes, incenso e remédios.

O ramo alongado com cinco frutos gravados na pedra chamou a atenção dos especialistas porque parecia ser algo diferente de qualquer outra espécie já encontrada retratada em focas da época.

"Perto do final do Período do Segundo Templo, o uso de carimbos de pedra se expandiu e se tornou mais comum", disse o Prof. Shua Amorai-Stark, um especialista em gemas gravadas.

"Mas na maioria dos carimbos descobertos até agora com gravuras de plantas, é comum encontrar plantas que eram comuns em Israel na época: vinhas, tâmaras e azeitonas, que estão entre as sete espécies. Mas neste selo de pedra, imediatamente notamos que o fruto que aparece nele é diferente de qualquer um dos frutos que encontramos até agora."

Referências bíblicas

Em Gênesis, quando os filhos de Jacó se sentam para comer depois de jogarem seu irmão José em uma cova, eles decidem vendê-lo como escravo depois de ver "uma caravana de ismaelitas vindo de Gileade, seus camelos carregando goma, bálsamo e ladanum para serem levados para o Egito.”

Mais tarde, no Êxodo, a espécie é incluída por Deus nos ingredientes do incenso do Templo.

“O Eterno disse a Moisés: 'Eles te trarão especiarias aromáticas, seiva de uma árvore de bálsamo, ônica, gálbano e outras especiarias aromáticas com incenso puro. Cada um deles terá o mesmo peso e dele fará incenso, um perfume segundo a arte do perfumista, misturado, puro e santo”, dizem dois versículos do capítulo 30.

O bálsamo de Gileade também era conhecido por ser um componente do perfume favorito de Cleópatra, a lendária rainha do Egito.

“Este é um achado importante porque pode ser a primeira vez que um selo é descoberto em todo o mundo com uma gravura da preciosa e famosa planta, que até agora só podíamos ler em descrições históricas", disse o arqueólogo Eli Shukron, que conduziu a escavação nas fundações do Muro das Lamentações em nome do IAA e da Cidade de Davi.

Símbolos

O selo foi encontrado pelos participantes do projeto “Experiência Arqueológica” no Parque Nacional Emek Tzurim apoiado pela Cidade de Davi e pela Autoridade de Parques e Natureza.

A pedra oval, aproximadamente 10 mm de comprimento e 5 mm de largura, também apresenta um pássaro, provavelmente uma pomba.

Os especialistas observaram que tanto a árvore quanto a pomba representam boa sorte e sucesso.

“A planta do bálsamo é um símbolo positivo porque, além de servir para a produção de perfumes e remédios, ao antigo caqui - que aliás não é nada parecido com o caqui de hoje - foram atribuídas propriedades mágicas e cerimoniais e é uma das os ingredientes usados ​​para fazer o incenso do Templo durante o Período do Segundo Templo - que é quando este selo foi feito", observou Shukron.

"A pomba também é um motivo positivo no mundo helenístico, romano e judaico", disse Amorai-Stark. "Simboliza riqueza, felicidade, bondade e sucesso."

Segundo o especialista, o dono dos anéis provavelmente era uma pessoa rica.

“A produção e o comércio que ocorriam em torno da planta do caqui eram rigidamente controlados na época por judeus que viviam na bacia do Mar Morto, onde a fruta era cultivada”, disse o professor. “Eu acho que o dono do selo era um homem que possuía um pomar de caqui, e quando ele veio para o artesão que fez o anel para ele, é possível que ele tenha trazido um ramo de caqui para que o artesão soubesse o que esculpir na pedra.”

FONTE: RVG, COM INFORMAÇÕES DO JPOST

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

NOSSOS OUVINTES,ONLINE, PELO MUNDO

Flag Counter

Feiticeiro tenta atrapalhar evangelismo na África e acaba se convertendo a Jesus Deus transformou o mal em bem, quando o feiticeiro mais temido da aldeia surgiu com cobras venenosas nas mãos para desafiar a equipe da missionária Heidi Baker.

                   Nachuha e sua esposa Albertina aceitaram Jesus e foram batizados por Heidi Baker. (Foto: Reprodução Iris Global). Em uma ...