WEB RÁDIO VERDADE GOSPEL

ISLAIDE TESTE

ISLAIDE TESTE
webradioverdadegospel@gmail.com

DISPONÍVEL NA PLAY STORY

DISPONÍVEL NA PLAY STORY
DISPONIVÉL NA PLAY STORY

JOÃO 3:16

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. João 3:16

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
PUPLICIDADE

IBADEP TEOLOGIA

IBADEP TEOLOGIA
IBADEP TEOLOGIA

sexta-feira, 11 de junho de 2021

População cristã pode desaparecer completamente na Síria, alertam organizações Pelo menos 124 ataques foram documentados contra locais de culto cristãos pelos principais partidos na Síria entre março de 2011 e setembro de 2019.

 Mulheres caminham em um bairro fortemente danificado por ataques aéreos em Idlib, Síria, em 12 de março de 2020. (Foto: Felipe Dana / AP)

Por mais de uma década, a Síria foi dilacerada por balas e bombas, divisões e destruição. Embora a ameaça aos cristãos do vizinho Iraque tenha atraído muita atenção internacional, pouco se fala sobre seu lento apagamento no berço da civilização síria.

A população da comunidade cristã da Síria oscilou desde que o país conquistou sua independência da França em 1946. Até o final dos anos 1960, os cristãos representavam cerca de 30% da população. Quando a guerra estourou em meio à Primavera Árabe de 2011, esse número havia caído para dez por cento.

O número de cristãos caiu de 2,2 milhões antes da guerra para menos de 677.000 agora, de acordo com o Índice de Perseguição de Cristãos em Países no Mundo, publicado pela ONG Portas Abertas.

“O regime não é um protetor das minorias. Eles estão usando isso apenas para negociar, trazer ajuda e manipular o Ocidente - especialmente os cristãos conservadores”, insistiu Ayman Abdul Nour, um desertor sírio, economista e presidente da organização sem fins lucrativos Syrian Christians for Peace.

                 Membros da família de refugiados sírios sobreviventes detêm 
perto um do outro. (Foto: Reprodução / Christian Aid Mission)

Nour diz que no “início da guerra, muitos cristãos eram pró-Assad. Mas depois de cerca de quatro ou cinco anos, eles perceberam que ele não irá protegê-los”

Ele estima que os cristãos agora representam menos de 5% da população síria, caindo de cerca de 900.000 antes do conflito para menos de 400.000 hoje.

A Síria e a Bíblia

A Síria confere um lugar especial nos textos bíblicos. A “Estrada para Damasco” é o local onde o apóstolo Paulo se converteu ao cristianismo na jornada de Jerusalém e em vilas como Ma'loula - um santuário antigo cavado em um penhasco no topo da montanha onde os residentes ainda falam aramaico, a língua de Jesus.

Mas a rica história corre o risco de se desfazer. Uma vez considerada um refúgio da turbulência, muitas igrejas antigas foram destruídas ou deixadas em perigo.

No mês passado, Bashar al-Assad declarou-se – para grande destituição da comunidade internacional – o vencedor de um quarto mandato presidencial, seguindo os passos de seu pai Hafez Assad, que presidiu por quase trinta anos. A "vitória" levou uma onda de legalistas - incluindo vários membros da comunidade ortodoxa grega da Síria - a tomar as ruas em comemoração.

No entanto, para os muitos sírios-cristãos sitiados que escaparam da guerra, isso significa que há pouca esperança de retornar tão cedo. O mandato de Assad também foi repleto de complicadas lealdades para os cristãos, visto que Damasco se orgulha de ser um protetor da minoria cristã.

A posição pública de Assad como defensor cristão é reforçada pela noção de que ele também é uma minoria, pertencente à seita islâmica xiita conhecida como os alauitas. Este grupo representa cerca de dezessete por cento da população. Os muçulmanos sunitas são a maioria, respondendo por cerca de 74% da população cada vez menor.

Ao iluminar a ameaça da multidão de grupos terroristas extremistas e linha-dura operando em solo sírio, o presidente se retrata como algo protetor da comunidade cristã. Essa posição foi ampliada ainda mais pela ascensão do ISIS em grandes áreas do país, há cerca de oito anos. A Rússia, aliada de Assad, também reforçou seu papel como suposta protetora do cristianismo,

“Muitos cristãos sírios apoiam Assad porque acreditam que ele é apenas a opção mais segura, que a alternativa são os islâmicos e isso seria pior para os cristãos. Outros consideram o sistema que Assad mantinha manipulador, que prometia falsas proteções”, explicou Claire Evans, gerente regional para o Oriente Médio da International Christian Concern.

“No final das contas, os cristãos sírios são colocados em uma posição muito difícil. Tudo o que eles acreditam politicamente, eles serão penalizados por alguém. É uma questão de ter que fazer a escolha pessoal de quem eu quero / preciso de proteção; portanto, é um sistema injusto desde o início”, afirma.

Direitos humanos

Os ativistas de direitos humanos sírios destacam que as vidas da vasta maioria dos cristãos foram reviradas devido ao regime de Assad, e não devido a grupos terroristas.

Um relatório da Rede Síria de Direitos Humanos (SNHR) de 2019, intitulado “Visar locais de culto cristãos na Síria é uma ameaça ao patrimônio mundial”, afirmou que o governo “é o principal responsável por 61% da segmentação de locais de culto cristãos na Síria.”

Pelo menos 124 ataques foram documentados contra locais de culto cristãos pelos principais partidos na Síria entre março de 2011 e setembro de 2019. Setenta e cinco deles foram nas mãos das forças do regime sírio, dez nas mãos do ISIS, enquanto Hayat Tahrir al- Sham (ligado à Al Qaeda) foi responsável por outros dois ataques.

Um cristão sírio em Igreja destruída pelo grupo do Estado Islâmico, na vila de Tal Nasri, ao sul de Tal Tamr, em 2019. (Foto: Reprodução / AFP)

“Visar locais de culto cristãos é uma forma de intimidação contra a minoria cristã na Síria e um meio de deslocá-los”, indicou o relatório, destacando ainda que a liderança de Damasco “é indiferente aos danos que isso causa ao estado sírio, incluindo a história milenar da nação e a herança civilizacional que passou pela Síria ao longo dos tempos, lugares de culto.”

“Aqueles que ainda apoiam o fazem principalmente por medo”, enfatizou Fadel Abdul Ghany, fundador e presidente do SNHR. “Não há atmosfera de liberdade.”

Outros defensores dos direitos humanos também apontam que os cristãos certamente não estão isentos do mesmo destino que recai sobre qualquer outro sírio que irrita o governo - e também estão rotineiramente sujeitos a prisão arbitrária, desaparecimento forçado e pegos no fogo cruzado do conflito.

Agora amplificando sua situação estão as condições precárias que agora permeiam as parcelas ocupadas por curdos e forças opostas apoiadas pela Turquia.

Deslocamentos

Os combates constantes no Nordeste fizeram com que as igrejas e aldeias ocupadas por cristãos se tornassem mais uma causa de deslocamento. Além disso, a piora das condições econômicas e da pobreza induzida pela pandemia do coronavírus tornou a situação insuportável para os sírios - levando ainda mais aqueles que aguentaram tanto tempo a escapar.

“Temos vários casos de perseguição nas áreas curdas onde casas cristãs foram confiscadas ou onde grupos curdos os alvejaram violentamente. Em alguns casos, os grupos curdos se retiraram de forma que os terroristas atacaram os cristãos. Depois que os cristãos foram expulsos, os grupos curdos retornaram e assumiram o controle”, afirmou Evans. “Muitas dessas famílias estão vivendo em condições deploráveis, sem esperança ou desejo de voltar para casa nas circunstâncias atuais.”

Resta saber quão baixo os números cairão nos próximos meses e anos e que papel os Estados Unidos desempenharão na preservação do cristianismo em seu lar ancestral.

“As armas silenciaram. A guerra acabou. No entanto, a crise econômica aumentou, até mesmo por causa das sanções internacionais, especialmente americanas, que estão atingindo fortemente a Síria. Como sempre, esses tipos de sanções atingem a população primeiro, antes de atingir os líderes”, prometeu Benjamin Blanchard, diretor da SOS Chrétiens d'Orient, com sede na Síria. “As sanções estão impulsionando a imigração de sírios, principalmente cristãos, já que, em qualquer crise, as minorias são as mais frágeis, as mais sensíveis. São eles que mais saem, continuando a imigrar. Este é um problema enorme."

FONTE: rvg, COM INFORMAÇÕES DO NATIONAL INTEREST

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

NOSSOS OUVINTES,ONLINE, PELO MUNDO

Flag Counter

Mulher credita a Deus sobrevivência a grave acidente no PR: “Ele me deu uma vida nova” Maristela Furman do Valle teve o carro completamente destruído em acidente na Região Metropolitana de Curitiba.

                                           O acidente ocorreu entre Araucária e Contenda, no Paraná. (Foto: Jorge Melo/RPC) A cena do  acide...