WEB RÁDIO VERDADE GOSPEL

ISLAIDE TESTE

ISLAIDE TESTE
webradioverdadegospel@gmail.com

DISPONÍVEL NA PLAY STORY

DISPONÍVEL NA PLAY STORY
DISPONIVÉL NA PLAY STORY

JOÃO 3:16

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. João 3:16

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
PUPLICIDADE

IBADEP TEOLOGIA

IBADEP TEOLOGIA
IBADEP TEOLOGIA

segunda-feira, 28 de junho de 2021

‘Deus colocou essas crianças no meu caminho’, diz cristão que adotou 17 órfãos Jim Allan Morris era um assistente social que decidiu cuidar das crianças que não tinham família.

 

                                   Jim Morris com sua esposa e parte dos filhos adotivos. (Foto: Reprodução / AG News)

O garoto da pré-escola Darren e sua irmã em idade de escola primária ficaram sob custódia do estado depois de serem deixados sozinhos no apartamento da família em Nova York, que pegou fogo.

Darren lembra que a vida se tornou posteriormente uma sucessão de lares adotivos e coletivos, sua raiva acabou se manifestando em mau comportamento. Foi nessa época que Jim Allan Morris, que o conhecia da igreja, disse ao menino de 9 anos que queria adotá-lo.

Na casa dos Morris, Darren teria seis novos irmãos que, como Darren, que por causa da raiva apresentavam mau comportamento, resultando em ingressos fracassados em lares adotivos e coletivos.

Enquanto ajudava meninos de rua em Bogotá, Colômbia, em meados da década de 1980, Deus encarregou o assistente social Jim de ministrar a crianças traumatizadas, amá-las incondicionalmente e, algum dia, proporcionar-lhes uma família permanente.

Darren se juntou a meninos adolescentes que haviam sido removidos de suas famílias biológicas por causa de abuso, negligência ou ambos.

Família adotiva

Não é surpreendente que Jim, o supervisor de um lar coletivo, tenha optado por adotar. Sua mãe e um irmão são adotados e outro irmão adotou cinco filhos. Mas em 1991, Jim, então solteiro e com 31 anos, disse que o Senhor falou com ele sobre buscar a custódia de Herman, de 11 anos, um processo que não se concretizou até que o menino fizesse 13 anos.

De lá, ele se tornou legalmente licenciado como pai adotivo em Nova York, o que abriu o caminho para o irmão de Herman, Adam, e depois para John e Andrew e outros.

“Antes de me casar, nunca tive a intenção de começar a adotar crianças e seguir esse caminho”, diz Jim. “Deus colocou essas crianças no meu caminho, uma a uma. Não era um plano que eu tinha. Quando você começa a confiar no Senhor, deixa que Ele comande.”

Logo depois de se tornar um Morris, Darren e sua nova família foram convidados para a Casa Branca em 2003, quando o presidente George W. Bush reconheceu a família ao assinar a Lei de Promoção da Adoção.

Naquele ano, Jim conheceu Araceli.

“Ela tinha o mesmo coração”, diz Jim. “Não demorou muito para perceber que Deus nos havia chamado juntos, e nos apaixonamos muito rapidamente.” Eles se casaram em 2004. Araceli não apenas adotou os sete de Jim, mas juntos eles adotaram mais dez em Nova York e, mais tarde, no Texas. Além disso, eles criaram outras oito crianças em um orfanato, tanto formalmente quanto de fato. As crianças são negras, hispânicas, brancas e birraciais. Jim é branco e Araceli é hispânica. O casal não tem filhos biológicos.

No máximo, nove crianças moravam em sua casa ao mesmo tempo, seja em Nova York ou na área metropolitana de Dallas, onde participavam da Primeira Assembleia Lavon. Dois filhos vivem com eles hoje. Araceli é dona de casa.

Jovens problemáticos

Jim é diretor de programa do North Fork Educational Center, um centro de tratamento residencial para jovens problemáticos de 5 a 17 anos, crianças e jovens considerados muito difíceis de viver em lares adotivos por causa de questões emocionais, comportamentais e cognitivas.

Alguns de seus próprios filhos tiveram uma dúzia de colocações em adoção temporária antes de chegar à casa dos Morris.

“Antes de eles se mudarem, dissemos: ‘Queremos adotá-lo. Não vamos desistir de você. Vamos trabalhar nisso juntos'”, diz Jim. “É uma pequena maneira de sermos capazes de espelhar como Deus nos adota em Sua família.”

Entre as Escrituras que orientam a família Morris está Provérbios 22: 6, que promete: "Ensine a criança no caminho em que deve andar, e quando envelhecer não se desviará dele."

Provisão de Deus

“Quando você está passando por tempestades na adolescência, é tão difícil de acreditar”, diz Jim, acrescentando que a Palavra de Deus prova ser verdadeira porque a família recebeu provisão sobrenatural. Alguns receberam bolsas do governo como adotados ou filhos adotivos. Cada criança desafiou as probabilidades. “Pegamos crianças que estavam bagunçando”.

Quando Darren estava no ensino médio, seu diretor disse que ele estaria morto ou na prisão aos 21 anos. Em contraste, em um retiro para jovens, Darren entregou sua vida a Cristo. O Espírito Santo começou a curar sua raiva. Agora com 29 anos, ele é um ministro ordenado que, com sua esposa, Ariel, tem dois filhos biológicos e lidera o culto em uma igreja não denominacional em Nova York. Eles estão estabelecendo um ministério de adoção em Atlanta. Ele atribui seu resultado positivo ao amor incondicional de seu pai adotivo.

“Tive uma visão em primeira mão de como é o amor do Pai”, diz Darren. “Sempre tive dificuldade em acreditar que era digno de amor e em aceitar o amor.”

Todas as crianças adotadas por Morris, exceto duas, são do sexo masculino. A maioria foi adotada entre as idades de 10 e 16 anos.

“Você pode imaginar uma casa cheia de meninos lidando com traumas e feridas”, diz Darren. “Meu pai realmente trabalhou duro para quebrar a barreira que todos nós tínhamos. Eu não trocaria minha família por nada neste mundo.”

Jim aponta para 2 Coríntios 5: 7. “Os humanos querem ver para acreditar”, diz Jim. “Deus nos diz para acreditar e você verá. Saia do barco e mantenha os olhos em Jesus. Então você verá o poder de Deus desencadeado em sua vida.”

Jim admite momentos de grande ansiedade.

“Essas provações e tribulações produzem a fé e a capacidade de ver a mão de Deus em nossas vidas”, diz ele. “Quando as coisas parecem impossíveis, Deus fornece.”

Jim diz que, embora nem todos os filhos adotivos tenham se tornado cristãos, todos se deram bem. Ele e Araceli não levam crédito pelos resultados. O fato de todos estarem se movendo em uma boa direção é uma prova clara do que Deus pode fazer com as crianças de coração aberto, diz ele.

De acordo com Morris, é importante que os futuros pais adotivos que fornecem assistência social sejam recipientes dispostos a demonstrar amor incondicional. Ameaçar não adotar uma criança que se comporta mal passa a mensagem errada, diz ele. Morris acredita que a Igreja deve ajudar as crianças que estão sofrendo no sistema de adoção.

“Sem Cristo, não haverá cura e restauração completas”, diz ele. “Pense em crianças que experimentariam restauração e salvação. Imagine o impacto na vida dessas crianças.”

FONTE: RVG, COM INFORMAÇÕES DA AG NEW

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

NOSSOS OUVINTES,ONLINE, PELO MUNDO

Flag Counter

Atriz de ‘Patricinhas de Beverly Hills’ superou vício através da fé: “Agradeço ao Senhor” Criada por pais viciados em drogas, Stacey Dash revelou que foi abusada na infância, tentou suicídio e se tornou viciada na vida adulta.

                      Stacey Dash é conhecida por atuar em As Patricinhas de Beverly Hills. (Foto: Michael Tran/Getty Images) Muitos conhece...