WEB RÁDIO VERDADE GOSPEL

ISLAIDE TESTE

ISLAIDE TESTE
webradioverdadegospel@gmail.com

DISPONÍVEL NA PLAY STORY

DISPONÍVEL NA PLAY STORY
DISPONIVÉL NA PLAY STORY

JOÃO 3:16

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. João 3:16

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
PUPLICIDADE

IBADEP TEOLOGIA

IBADEP TEOLOGIA
IBADEP TEOLOGIA

sexta-feira, 16 de abril de 2021

“Para o STF, a igreja deve se portar como uma mera ONG”, diz pastor Franklin Ferreira O pastor questiona se a Igreja terá poder para definir sua prática de fé ou se o Estado vai decidir pelos cristãos como as igrejas devem proceder.

 

Os ministros Gilmar Mendes e Carmem Lúcia, durante sessão do STF para decidir sobre cultos presenciais durante a pandemia. (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Em seu artigo mais recente, publicado ontem (12) pelo jornal Gazeta do Povo, o colunista Franklin Ferreira, que também é pastor e professor de teologia, alerta para a forma como a Igreja tem sido tratada em tempos de pandemia. No Brasil, segundo ele, Igreja e Estado sempre se relacionaram de forma saudável, ao que chama de “laicidade colaborativa”.

Essa colaboração, no entanto, parece não estar funcionando tão bem durante o período que exige restrições para o combate da Covid-19. “Do ponto de vista jurídico, o fechamento de igrejas é inconstitucional, pois a liberdade religiosa é assegurada pela Constituição”, defendeu.

Para o pastor, o Supremo Tribunal Federal (STF), não respeitou esse princípio fundamental de liberdade religiosa e de culto, e resolveu relativizar um artigo que é cláusula pétrea da Constituição Federal.

                      Para Franklin Ferreira a Igreja pode colaborar com o Estado durante a pandemia. (Foto: Reprodução Facebook)

A Igreja em tempos de pandemia

Judicialmente, ficou decidido que o Estado pode, em razão da pandemia de Covid-19, restringir o culto — mas nunca proibi-lo. “Deve haver limites às limitações. Proibir a liberdade de culto é a negação da preservação do conteúdo e do núcleo essencial da primeira das liberdades”, comentou.

Franklin destacou que “a pandemia não pode ser elevada à categoria de poder constituinte originário” e citou a luta de líderes cristãos para garantir que eventos religiosos sejam classificados como um tipo de serviço essencial em nosso país. 

Ao apontar para alguns conceitos sobre o que realmente é a igreja, o pastor alerta para alguns perigos atuais. Se as pessoas somente falarem que “a igreja somos nós” e que é possível ser crente sozinho, corremos o risco de perder a liberdade de culto sob determinadas circunstâncias. 

“Esquecem ou ignoram que, de acordo com a Escritura Sagrada, a igreja, que faz parte do Reino de Deus, é o conjunto de fiéis a Cristo reunidos, chamados de: santuário de Deus, povo de Deus, templo do Espírito Santo, eleitos de Deus e corpo de Cristo”, lembrou.

Ele resume o assunto dizendo que “a comunhão com o Senhor também é a comunhão com os irmãos”. Citando os reformadores, Franklin reforça que “a igreja cristã é definida como a comunidade de fiéis que se unem para ouvir a Palavra e receber os Sacramentos, e estas são as marcas características da verdadeira igreja”, disse.

“A crise de saúde que passamos, e que deveria ser encarada como um tempo de deserto e lamento, obrigou muitas igrejas a se reconfigurar", apontou e lamentou a falta de reflexão bíblica sobre o que é, de fato, igreja, comunhão, pregação e culto.

Conflitos entre Igreja e Estado

“Diversas igrejas no país têm contribuído para amenizar o sofrimento das pessoas por meio do fornecimento de cestas básicas, itens de higiene, roupas, pagamento de contas e cuidado pastoral”, lembrou. 

“Parece que o governador de São Paulo não levou isso em conta. Antes, João Doria transformou as igrejas em um problema a ser resolvido com uma ordem, mandando fechá-las”, disparou citando um dos estados onde a Igreja enfrenta essa crise. “Na organização da sociedade brasileira, o Estado pode esperar não apenas que a igreja coopere para o bem comum, como também pode chamá-la como parceira para tal”, continuou.

O pastor lembra que, ao mesmo tempo em que as igrejas devem permanecer fechadas, foi permitido o retorno dos jogos de futebol no estado de São Paulo. “Estranhas prioridades governamentais, para uma população que enfrenta o ‘vale da sombra da morte’”, ressaltou.

“Os cristãos, na verdade, são tratados como crianças inconsequentes, que precisam ter sua liberdade de culto suspensa por serem crianças desobedientes e imprudentes. E, assim, o STF entregou todos os cristãos do país ao arbítrio de governadores e prefeitos, abrindo sinistro precedente para a fé cristã no país”, denunciou.

Ele observa que, durante o julgamento, o que se viu foram os ministros do STF definindo o que é a fé cristã e os limites do exercício religioso nesta pandemia. “Para o STF, a igreja deve se portar como uma mera ONG. Portanto, o que agora está em jogo é se a igreja cristã tem poder para definir sua prática de fé, mesmo na pandemia, ou se o Estado tem o direito de definir pelos cristãos como as igrejas devem proceder”, concluiu.

FONTE: RVG, COM INFORMAÇÕES DA GAZETA DO POVO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

NOSSOS OUVINTES,ONLINE, PELO MUNDO

Flag Counter

Após igrejas orarem pela paz, cristãos na Síria relatam trégua dos conflitos Os confrontos aconteceram no bairro sírio de al-Tay, que faz fronteira com um bairro de maioria cristã.

  O pastor George Moushi decidiu ficar em Qamishli e apoiar seu povo mesmo diante do aumento da tensão na região desde outubro de 2019. (Fot...