WEB RÁDIO VERDADE GOSPEL

ISLAIDE TESTE

ISLAIDE TESTE
webradioverdadegospel@gmail.com

DISPONÍVEL NA PLAY STORY

DISPONÍVEL NA PLAY STORY
DISPONIVÉL NA PLAY STORY

JOÃO 3:16

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. João 3:16

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
PUPLICIDADE

IBADEP TEOLOGIA

IBADEP TEOLOGIA
IBADEP TEOLOGIA

sábado, 30 de janeiro de 2021

Quais os impactos da COVID-19 na Lista Mundial da Perseguição 2021? Como a pandemia interferiu na perseguição aos cristãos em todo o mundo

A pandemia da COVID-19 aumentou a vulnerabilidade dos cristãos que já conviviam com a discriminação e a violência

A pandemia da COVID-19 impactou o mundo todo, e muitos governos exploraram esse contexto para intensificar a opressão às minorias religiosas, aumentando a vulnerabilidade dos cristãos perseguidos. O departamento de pesquisa da Portas Abertas realizou um estudo sobre os principais impactos que a pandemia trouxe para os seguidores de Jesus hostilizados por causa da fé. 

As descobertas iniciais foram confirmadas durante a elaboração da Lista Mundial da Perseguição 2021, onde todos os países do Top50 obtiveram a classificação de perseguição extrema e severa, os índices mais altos da pesquisa. Os países com perseguição extrema, obtiveram entre 81 e 100 pontos, e os países com perseguição severa tiveram pontuação entre 61 e 80. Isso mostra que a pandemia aumentou o grau de perseguição em muitos países. Entenda como é feita a Lista Mundial da Perseguição.

Uma outra tendência global fortemente percebida durante o período, foi que os cristãos passaram a ser vistos como culpados pela pandemia e pela transmissão do vírus. Levando à disseminação de discursos de ódio e ataques físicos contra os seguidores de Cristo, nos quais funcionários do governo, membros da comunidade e grupos extremistas participaram. Muitas igrejas também foram atacadas por socorrer as comunidades nas principais necessidades.

Os cristãos têm, constantemente, o acesso às necessidades básicas negadas, já que a comunidade os vê como diferentes e muitas vezes como traidores. Durante a pandemia, eles continuaram a ser privados de ajuda humanitária, alimentos e até água, aumentando a vulnerabilidade e prejudicando a saúde das famílias. Grupos extremistas, governos e comunidades passaram a pressionar ainda mais os seguidores de Jesus durante a pandemia, realizando ataques diretos aos cristãos e igrejas.

O isolamento social por causa da pandemia também afetou a vida dos cristãos perseguidos, pois houve aumento dos níveis de violência doméstica. As famílias foram forçadas a ficar em casa e muitos cristãos ficaram presos com os parentes perseguidores, que não aceitam a conversão e utilizam de pressão e violência para obrigar os convertidos a retornarem à fé tradicional familiar.

Como a COVID-19 afetou os continentes?

Ásia: as ações do governo para conter a pandemia têm sido usadas para aumentar a vigilância das igrejas e seus membros, como na China. Membros da comunidade no Butão e em Mianmar também foram encorajados a monitorar as atividades cristãs. Os regulamentos governamentais em relação à COVID-19 foram usados para prender os cristãos, sob o pretexto de contenção da pandemia, como na Índia e no Nepal.

África Subsaariana: os extremistas são poderosos impulsionadores da violência e da discriminação na região. Eles têm usado as restrições da pandemia para aumentar os ataques contra os cristãos, como em CamarõesEtiópiaMali e Moçambique.

Oriente Médio e Norte da África: há indícios de que a violência doméstica aumentou pela pandemia nesta região. As famílias estavam trancadas juntas, muitas vezes colocando as mulheres já vulneráveis por causa da fé ainda mais em risco. Além disso, o Estado Islâmico se aproveitou da ocasião para promover mais ataques na região. 

América Latina: os principais agressores dessa região são grupos criminosos que pressionam os cristãos para abandonarem a fé. Os seguidores de Cristo na América Latina foram alvo da negação ou da restrição de cuidados de saúde, como na Bolívia e em Cuba. Também foram forçados a participar de rituais locais de cura em vez de escolherem a própria prestação de cuidados de saúde. Além disso, tiveram o acesso a centros de saúde e medicamentos negados ou restringidos pelas próprias comunidades por causa da fé. 

FONTE PORTAS ABERTAS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

NOSSOS OUVINTES,ONLINE, PELO MUNDO

Flag Counter

“Precisamos nos expor para que outras pessoas sejam libertas”, diz ex-viciada em pornografia Janaína Oliveira contou seu testemunho de libertação em vídeo ao yesHeis

  Janaina encontrou ajuda no projeto Socorre.me, um ministério de apoio para pessoas com compulsão em pornografia. (Foto: Reprodução/ YouTub...