WEB RÁDIO VERDADE GOSPEL

RADIO WEB VERDADE GOSPEL

RADIO WEB VERDADE GOSPEL
24 HORAS NO AR

ISLAIDE TESTE

ISLAIDE TESTE
webradioverdadegospel@gmail.com

DISPONÍVEL NA PLAY STORY

DISPONÍVEL NA PLAY STORY
DISPONIVÉL NA PLAY STORY

JOÃO 3:16

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. João 3:16

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
PUPLICIDADE

IBADEP TEOLOGIA

IBADEP TEOLOGIA
IBADEP TEOLOGIA

quarta-feira, 25 de novembro de 2020

Cerca de 90 cristãos são expulsos de aldeia em Bangladesh Interceda pelas famílias, que estão convictas na decisão de não negar a Jesus, apesar da perseguição

 

Os cristãos não são aceitos como parte da comunidade e não podem ter contato com os outros aldeões

No Sudoeste de Bangladesh, 21 famílias foram intimidadas pelos líderes da aldeia para renunciarem a fé em Cristo e voltarem às práticas do hinduísmo. Eles disseram que se as famílias cristãs se recusassem a abandonar a fé, não seriam mais aceitas como parte da comunidade. As ameaças incluíam não poderem se relacionar com os aldeões, ninguém poderia falar com eles, não teriam permissão para comprar e vender e não seriam mais aceitos nas atividades sociais da aldeia.

Os líderes da aldeia ainda alertaram os demais moradores para cumprirem essas condições. Caso algum cidadão da comunidade conversasse com os cristãos, também seria excomungado. Como resultado dessa repressão, os cristãos da aldeia enfrentam problemas para sobreviver. Sempre que saem, são ridicularizados e até os familiares se voltaram contra eles. As crianças cristãs também se afligem com essa situação, pois estão sendo perseguidas pelas outras crianças e proibidas de brincar em conjunto.

No entanto, os cristãos continuam fortes na fé. "Recebemos Jesus Cristo como nosso salvador e Senhor. Não podemos negar ao Senhor. Seja qual for a situação, vamos enfrentá-la juntos. Não voltaremos à nossa fé anterior. Por favor, ore por nós", disse um dos cristãos locais. Ouvindo sobre esse incidente, nosso parceiro local foi à aldeia para tentar falar com os líderes cristãos e hindus sobre o assunto. Mas os hindus o trataram mal e ficaram zangados com ele. 

"Eles ficaram muito irritados comigo. Eles me ameaçaram e disseram para não conduzir nenhuma atividade cristã naquele lugar. Mas eu lidei com a situação sabiamente, falei com eles muito bem. Depois de muito tempo falando, a raiva diminuiu. Mas eles ainda perseguirão esses cristãos até que renunciem a fé em Jesus", disse o parceiro local da Portas Abertas.

Socorro para os cristãos em Bangladesh

A vulnerabilidade dos cristãos no país teve um aumento com a pandemia da COVID-19 e o ciclone Amphan, além de duas inundações. O governo tem negligenciado ajuda a muitos cristãos, pedindo para que voltem ao islã para receberem auxílio. Sua oração e contribuição são imprescindíveis para que a Portas Abertas possa assisti-los. Ao doar, você auxilia na distribuição de alimentos, materiais sanitários e outras necessidades básicas das famílias cristãs. 

Pedidos de oração

  • Ore para que Deus proteja essas famílias, dando sabedoria para enfrentar a perseguição e lidar com a situação de tensão.
  • Interceda para que Cristo visite os perseguidores, e tenham a vida transformada pelo amor derramado por ele.
  • Clame para que os cristãos vizinhos da aldeia ajudem as famílias, as encorajando a permanecerem firmes na fé.
  • FONTE PORTAS ABERTAS.

terça-feira, 24 de novembro de 2020

Menina cristã forçada a casamento islâmico pede ajuda ao primeiro-ministro do Reino Unido A adolescente paquistanesa Maira Shahbaz foi sequestrada e forçada a se casar com um homem muçulmano. Após conseguir fugir, está pedindo ajuda internacional.

 


Maira Shahbaz (à esquerda) enviou uma 'carta' ao primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson (à direita), pedindo ajuda, enquanto teme por sua própria vida e de sua família, após fugir de um casamento islâmico forçado, no Paquistão. (Foto: Daily Mail)

Uma menina cristã paquistanesa que fugiu da casa de um homem muçulmano com quem havia sido forçada a se casar, está implorando ao primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson para ajudá-la.

Maira Shahbaz, 14 anos, e sua família foram forçadas a se esconder por causa das ameaças de extremistas islâmicos a suas vidas.

Em 2019, Maira foi sequestrada sob a mira de uma arma e forçada a se casar com um homem muçulmano, quando sua família disse que ela tinha apenas 13 anos. Posteriormente, a menina conseguiu fugir de seus sequestradores.

A família dela está contestando o casamento na Justiça do Paquistão e o caso está em andamento.

Em um comunicado no fim de semana, ela apelou ao primeiro-ministro britânico para ajudá-la.

"Estou muito assustada, devido às ameaças à minha vida e à minha família. Por favor, proteja-me", disse ela em uma 'carta', de acordo com o jornal britânico ‘Daily Mail’.

Mais de 9.000 pessoas assinaram uma petição online, lançada pela organização internacional Ajuda à Igreja Necessitada (‘Aid to The Church in Need’ - ACN), exigindo que o primeiro-ministro conceda asilo a Maira e sua família.

O pedido ocorre na semana em que a organização cristã promove o evento da ‘Quarta Vermelha da ACN’, realizado todos os anos para aumentar a conscientização sobre a situação dos cristãos perseguidos em todo o mundo.

O documento oficial ‘Liberte Seus Cativos - Um Relatório sobre Cristãos detidos injustamente por sua Fé’, será lançado no Parlamento, na ‘Quarta-feira Vermelha’.

A ACN disse que independentemente do que o tribunal decidir sobre o caso de Maira, a sua "vida estará para sempre em perigo".

"Há a ameaça de morte por honra. Os extremistas no Paquistão a consideram uma apóstata e vão matá-la na primeira chance. Seu advogado disse que homens estão procurando por ela, batendo de porta em porta nas casas e perguntando por seu paradeiro", disse.

O diretor da ACN, Neville Kyrke-Smith, disse: "É urgente que o primeiro-ministro aja para salvar a vida de Maira e sua família. Eles estão em grave perigo".

FONTE: rvg, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN TODAY / DAILY MAIL

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Netanyahu entrega Bíblia a Pompeo e agradece aliança dos EUA com “o povo do Livro” Pompeo é primeiro secretário de Estado dos EUA a visitar as Colinas do Golã e colônia israelense na Cisjordânia.

Primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu e secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, falam à imprensa em Jerusalém. (Foto: Amos Ben-Gershom/GPO)

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, entregou uma Bíblia nesta quinta-feira (19) ao secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, durante sua visita a Cisjordânia e Israel.

“Acabamos de ter uma conversa muito íntima e produtiva olhando para os muros de Jerusalém, e isso me lembrou de quão profundo é seu vínculo com o Estado judeu”, disse Netayahu no início da coletiva de imprensa. 

“Dei a ele uma Bíblia de presente e disse que o povo do Livro não teve um amigo melhor, e estou falando sério”, acrescentou o premiê em menção à aliança entre Israel e EUA. 

Netanyahu reforçou seu agradecimento ao governo de Donald Trump: “Graças ao presidente Trump, os EUA reconheceram Jerusalém como capital de Israel e transferiram sua embaixada para cá. Graças ao presidente Trump, os EUA reconheceram a soberania israelense sobre as Colinas de Golã. Eles se retiraram do perigoso acordo nuclear com o Irã, impuseram sanções rigorosas ao regime iraniano, eliminaram o mega terrorista Qassem Soleimani, propuseram o primeiro acordo realista para paz entre israelenses e palestinos e Israel conseguiu estabelecer paz com três países árabes: os Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Sudão”.

O premiê israelense também expressou gratidão a Pompeo por sua gestão como chefe da CIA, afirmando que, na época, a cooperação de inteligência entre os EUA e Israel “se tornou mais forte do que nunca, aumentando a segurança de ambos os países”. 

Ele ainda mencionou que a liderança de Pompeo no Departamento de Estado americano, “os representantes dos EUA na ONU e outros fóruns internacionais defenderam Israel descaradamente, sem apologética e sem corretivos artificiais. Simplesmente defenderam Israel”.

A visita de Pompeo à Cisjordânia foi considerada “sem precedentes” e criticada pela Palestina. É a primeira vez na história que um secretário de Estado visita um assentamento israelense, visto pela comunidade internacional como uma espécie de “invasão” a um território palestino.

FONTE: rvg, COM INFORMAÇÕES DO JEWISH NEWS SYNDICATE.

domingo, 22 de novembro de 2020

Razão e emoção: pastor ensina como expressar o amor a Deus através da alma e conhecimento O pastor Joel Engel fala sobre a importância de buscar a Deus com as emoções e o conhecimento.

 

                          É preciso expressar o amor a Deus através da alma e do conhecimento. (Foto: Ministério Engel)

O pastor Joel Engel ensina que é preciso expressar nosso amor a Deus nos quatro níveis: físico, emocional, mental e espiritual. Para isso, ele explica que é preciso entender o conceito bíblico de amor.

“Muitos sentimentos que chamamos de amor não é o amor bíblico. O amor exige doação, dar e ação”, disse Engel em culto transmitido online na terça-feira (17).

O amor a Deus foi apresentado por Jesus no Evangelho de Mateus como o maior mandamento da Lei; seguido pelo amor ao próximo. “A cruz fala do amor de Deus pela humanidade, que vem de cima para baixo, e do amor lateral de um pelos outros”, comenta o pastor.

Engel explica que cada um dos 4 níveis de vida (físico, emocional, mental e espiritual) estão relacionados a 4 tipos diferentes de amor (eros, fileo, storge e ágape). Relembre sobre este estudo aqui.

Quando se trata do amor a Deus, o livro de Deuteronômio apresenta um padrão mais elevado: “Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todas as suas forças (Deuteronômio 6:5)”. Segundo o pastor,“Deus exige esse tipo de amor de Seu povo.

“Muitas vezes podemos notar isso no momento de oração. Muitos estão ali orando com volume, usando sua mente e suas forças físicas, mas não estão ali com a alma”, ele observa. “Quando você ora com as emoções, você sente prazer em estar no ambiente de oração. Não é como o comprimento de uma obrigação”.

Engel lembra que este é o tipo de amor que Deus espera dos seus filhos — que estejam com a alma presente. Caso contrário, poderão viver o que diz Isaías 29:13: “Esse povo se aproxima de mim com a boca e me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim”.

“Vemos pessoas que cumprem todos os regulamentos religiosos, mas não conseguem derramar sua alma. Deus quer sua presença física, mas sua alma também deve estar ali”, afirma Engel.

Por outro lado, o pastor também destaca a importância da razão da fé, que envolve o conhecimento da Bíblia. “Deus também exige um amor racional’ você deve conhecer quem você está amando. Estudar profundamente a Palavra é uma forma de expressar o amor a Deus a nível mental”, disse.

O pastor ainda observa que “quanto mais você conhece a Deus, mais você consegue amá-Lo”, no entanto, muitos não se esforçam para crescer no conhecimento de quem Ele é.

“Jesus ensinou seus apóstolos que Deus espera esse tipo de amor da humanidade. Que as pessoas não apenas falem com a boca, que não apenas se expressem com o corpo físico, que não apenas tenham uma amizade com Deus, que não apenas conheçam a Deus. Porque um religioso pode conhecer tudo de Deus, mas não estar envolvido emocionalmente”, conclui Engel.

Assista a pregação completa:


FONTE: GUIAME,rvg, LUANA NOVAES

sábado, 21 de novembro de 2020

Palestinos anunciam renovação de laços com Israel Grupos terroristas como Hamas e Jihad Islâmica criticaram duramente a decisão da Autoridade Palestina.

 

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu. (Foto: Reprodução / Middle East Monitor)

A Autoridade Palestina anunciou na terça-feira (17) que estava renovando os laços civis e de segurança com Israel, que foram rompidos há seis meses em meio aos planos de Israel de anexação unilateral da Cisjordânia, um movimento que foi suspenso.

A mudança veio dias depois que a eleição presidencial dos Estados Unidos foi vencida pelo desafiante democrata Joe Biden, que Ramallah prevê que se mostrará mais empático com sua causa do que o presidente Donald Trump. O PA rompeu todos os negócios com a administração Trump há três anos.

De acordo com a agência oficial de notícias WAFA, o anúncio foi feito depois que os palestinos receberam garantias de “contatos internacionais” de que Israel cumpriria os acordos anteriores.

“Contra o pano de fundo das negociações [o presidente da AP] Mahmoud Abbas sobre o compromisso de Israel em assinar acordos conosco, e com base nas mensagens escritas e orais que recebemos, que provam o compromisso de Israel, os laços com Israel retornarão ao estado anterior”, disse o Ministro de Assuntos Civis da AP, Hussein al-Sheikh.

A poderosa Comissão de Assuntos Civis de Al-Sheikh é responsável por gerenciar as relações com Israel. O ex-ministro da AP e confidente de Abbas tentou ver o retorno à coordenação com Israel como "uma vitória de nossa grande nação".

“Nossa postura foi clara: enquanto houvesse a intenção de anexar, a liderança palestina se considerava absolvida de seus acordos com Israel”, disse al-Sheikh em uma entrevista à TV oficial Palestina.

“Nos dirigimos ao governo israelense - por escrito - nos últimos dias, perguntando se eles ainda iriam aderir ou não aos seus acordos conosco… recebemos uma carta hoje do governo israelense dizendo que eles estavam comprometidos com os acordos assinados com os palestinos liderança”, continuou al-Sheikh.

Terrorismo

O grupo terrorista Hamas criticou duramente a decisão de Ramallah, chamando-a de "um ataque contra os esforços nacionais para construir a cooperação e uma estratégia para combater a ocupação, anexação e normalização e o 'Acordo do Século'. Ela vem na esteira de um anúncio de milhares de unidades de assentamento na Jerusalém ocupada."

O porta-voz do Hamas, Hazem Qassem, cujo grupo terrorista busca declaradamente a destruição de Israel, mais tarde destacou as declarações de al-Sheikh como uma ira particular. Alguns aspectos da coordenação da AP com Israel - particularmente a coordenação de segurança - são controversos entre os palestinos.

“Falar em Ramallah pela Autoridade Palestina sobre 'vitórias' em seu retorno à coordenação é apenas tratar a opinião pública palestina como se ela fosse tola”, disse Qassim, insistindo que os palestinos se oporiam e condenariam o anúncio.

O movimento Fatah de Abbas e o Hamas mantiveram várias rodadas de negociações nos últimos meses, lideradas pelo secretário-geral da Fatah, Jibril Rajoub, em uma tentativa de preencher as lacunas entre os movimentos palestinos rivais.

O Fatah e o Hamas estão em conflito desde 2007, quando o Hamas expulsou o movimento Fatah de Abbas após uma luta sangrenta pelo controle da Faixa de Gaza. Várias tentativas de acabar com a divisão de longa data na política palestina terminaram sem sucesso.

Negociações

Os analistas consideraram amplamente o mais recente conjunto de negociações, iniciado em meados do verão, como uma tentativa de esgotar o tempo antes das eleições nos Estados Unidos. Muitos previram que, se Biden fosse eleito, Ramallah se afastaria do Hamas e tentaria consertar as barreiras com os Estados Unidos.

“Exigimos que a Autoridade Palestina retire imediatamente essa decisão e pare de apostar em Biden e outros como ele. A terra não será libertada, nem os direitos serão protegidos, nem a ocupação dissipada - exceto pela verdadeira unidade nacional”, disse o Hamas.

A Jihad Islâmica também criticou duramente a decisão da AP, dizendo que poderia encerrar os esforços para forjar a unidade palestina.

“Este é um golpe contra todas as tentativas de promover a cooperação nacional. Esta é uma aliança com o inimigo”, disse em nota.

O rompimento dos laços com Israel veio em maio, depois que Abbas anunciou que os palestinos não estavam mais vinculados a acordos com Israel e os EUA, citando a intenção declarada de Israel de anexar partes da Cisjordânia. Abbas havia feito ameaças semelhantes durante anos para encerrar os laços de segurança com Israel, mas essa foi a primeira vez que ele o fez.

A decisão de encerrar a segurança e a coordenação civil com Israel teve efeitos abrangentes: os pacientes de Gaza que precisavam de tratamento médico urgente em hospitais israelenses não conseguiram obter autorizações para deixar o enclave costeiro; dezenas de milhares de crianças palestinas recém-nascidas não conseguiram obter a documentação oficial de Israel, que não recebeu informações da AP sobre sua existência. Os policiais da AP que antes se retiravam das áreas quando as forças israelenses os notificaram de uma operação iminente pararam de atender o telefone.

Acordos

Israel suspendeu o plano de anexação em agosto como parte de um acordo de normalização com os Emirados Árabes Unidos. Mas a AP atrasou a renovação dos laços com Israel, supostamente acreditando que enquanto Trump estivesse no cargo, a anexação não estaria totalmente fora de questão.

A renovação dos laços também significa que Ramallah aceitará novamente as receitas fiscais que Israel arrecada em seu nome. As chamadas “receitas de liquidação” constituem cerca de 60 por cento do orçamento da AP. Ramallah havia parado de aceitar as transferências de impostos de Israel no final de maio, também em protesto contra a anexação.

Sem o dinheiro dos impostos, a AP sofreu uma crise financeira aguda. Há meses que a Autoridade não paga os salários integrais dos seus empregados. Os salários do setor público constituem cerca de 20% do PIB da Cisjordânia. Sem eles, muitos residentes da Cisjordânia lutaram para sobreviver.

“Entramos em uma enorme crise financeira, e aqueles que a suportaram eram cidadãos palestinos comuns”, reconheceu al-Sheikh na noite de terça-feira.

Mas com a aproximação das eleições nos Estados Unidos, a AP deu a entender que aceitaria as receitas novamente caso Biden ganhasse a votação, dizendo aos professores em greve em Ramallah que "a crise fiscal está quase no fim".

O governo da AP cortou todos os laços com a administração Trump em 2017, acusando o presidente dos EUA de preconceito pró-Israel por reconhecer Jerusalém como a capital de Israel. Washington reagiu cortando a ajuda aos palestinos e fechando o escritório da Organização para a Libertação da Palestina em Washington.

A AP também encerrou os laços de segurança com os EUA em protesto contra o endosso do governo da anexação de Israel em partes da Cisjordânia no âmbito de seu plano de paz.

Essas áreas incluem assentamentos israelenses e o Vale do Jordão - uma área estratégica chave que constitui cerca de um terço da Cisjordânia.

Os palestinos dizem que o plano dos EUA acabaria com as perspectivas de uma solução de dois Estados para seu conflito de décadas com Israel. Em uma ligação com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu na terça-feira, Biden expressou apoio ao futuro de Israel como um "estado judeu e democrático" - o que implica seu apoio a uma solução de dois estados.

FONTE: rvg, COM INFORMAÇÕES DO TIMES OF ISRAEL

sexta-feira, 20 de novembro de 2020

Outro cristão ex-muçulmano é chicoteado no Irã A punição aconteceu porque bebeu vinho durante a santa ceia

 

A condenação de Saheb aconteceu em 2016, mas somente agora a pena foi cumprida (foto: Article18)

Em outubro, a Portas Abertas noticiou o caso de um cristão ex-muçulmano no Irã que foi chicoteado 80 vezes após beber vinho, durante a santa ceia. E, novamente, um outro seguidor de Jesus foi alvo desse tipo de punição física. No país, é ilegal que os iranianos muçulmanos consumam álcool, mas são abertas exceções para minorias religiosas, incluindo os cristãos. No entanto, o Irã proíbe os ex-muçulmanos de se tornarem cristãos.  Por isso, enxergam o ato como uma contravenção da lei.

Zaman Fadaei (conhecido como Saheb) foi preso em Rasht, em maio de 2016, juntamente com o pastor Yousef Nadarkhani, Fatemeh Pasandideh (esposa de Nadarkhani), Mohammad Ali (Yaser) Mosayebzadeh e Mohammad Reza (Youhan) Omidi. Em setembro de 2016, Saheb, Yaser e Youhan foram condenados a 80 chicotadas cada um por beber vinho durante a comunhão. 

Em junho de 2017, Saheb, Yaser, Youhan e Yousef Nadarkani receberam sentenças de 10 anos de prisão por "agirem contra a segurança nacional através da propagação de igrejas domésticas e da promoção do cristianismo". Eles começaram a cumprir as penas em 2018. Em maio de 2020, as sentenças passaram por revisão e foram reduzidas. As penas de Saheb e Yousef caíram para seis anos e a de Youhan para dois anos. A situação de Yaser é desconhecida.

Saheb recebeu a punição de 80 chicotadas no último domingo, 15 de novembro. Segundo a página no Twitter do Departamento de Estado dos Estados Unidos, o país discorda da punição: “Condenamos essas punições injustas e exortamos o Irã a permitir a todos os iranianos a liberdade de praticar suas crenças".

Pedidos de oração

  • Interceda para que os cristãos ex-muçulmanos no Irã sejam reconhecidos e possam cultuar Jesus com liberdade.
  • Clame pela vida de Fadaei, para que a paz de Cristo esteja com ele, e que continue a propagar o evangelho.
  • Ore pelos líderes governamentais do Irã, para que Deus os visite e tenham sabedoria para apaziguar a intolerância religiosa no país.
  • FONTE PORTAS ABERTAS.

quinta-feira, 19 de novembro de 2020

Astronauta cristão leva Bíblia à estação espacial em missão da Nasa O astronauta Victor Glover vai usar sua Bíblia e oração para lidar com o isolamento na Estação Espacial Internacional.

 

                       Victor Glover é o primeiro astronauta negro designado para uma missão de longa duração. (Foto: NASM)

A cápsula Dragon completou com sucesso sua viagem à Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), anunciou a Nasa nesta terça-feira (17).  Junto com um dos astronautas da missão Crew-1, feita em parceria com a empresa SpaceX, está uma Bíblia e copos para a Santa Ceia.

O americano Victor Glover, de 44 anos, que faz parte da tripulação com outros três astronautas, decolou com o foguete SpaceX Falcon 9 no domingo (15) com sua Bíblia, preparado para permanecer por seis meses na ISS.

Durante este período, ele pretende ter comunhão com a Palavra de Deus e sua igreja, através dos cultos online. “Enviei copos de comunhão e uma Bíblia, e temos uma conexão muito boa com a internet”, disse ele em entrevista ao site Christian Chronicle, dias antes da decolagem.

“Então, provavelmente continuarei no que temos feito: cultuando online, ofertando online, lendo minha Bíblia e orando”, acrescentou Glover, que é membro da Igreja de Cristo em Houston, no Texas.

Em sua primeira viagem ao espaço, Glover terá uma visão privilegiada da criação de Deus. Embora considere a experiência emocionante, o astronauta quer se concentrar em seu trabalho. “Quero usar as habilidades que Deus me deu para fazer bem meu trabalho e apoiar meus companheiros de tripulação, a missão e a Nasa”, disse.

Glover e os astronautas Michael Hopkins, Shannon Walker e Soichi Noguchi farão uma série de pesquisas científicas e caminhadas espaciais durante o período a bordo. Eles também darão as boas-vindas às tripulações do foguete russo Soyuz e da próxima SpaceX Crew Dragon, que devem chegar à ISS em 2021.

A tripulação da cápsula SpaceX é formada pelos astronautas Michael Hopkins, Victor Glover, Shannon Walker e Soichi Noguchi. (Foto: Nasa)

Momentos antes do lançamento, Glover diz que pensa em sua família: a esposa, Dionna, e suas quatro filhas — Genesis, 17 anos; Maya, 15; Joia, 14; e Corinne, 12.

“Em geral, até mesmo antes de entrar em um avião comercial, eu faço uma oração e sempre penso em minha família”, disse Glover. “Se eu ficar sem vê-las por algum motivo, mando uma mensagem, porque o que faço tem alto risco”.

O astronauta acrescenta: “Então quero ter sempre ter a certeza de que, se hoje for o meu último dia, eu disse que amo minha família e tive a chance de ter comunhão com Deus”.

Sua esposa, Dionna Glover, busca se acalmar através da Palavra de Deus. Para isso, ela medita em Filipenses 4:6, que diz: “Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus”.

“Eu estou nervosa, mas estou animada por ele. Tenho versículos que leio sempre para tentar me lembrar de não me preocupar e não me estressar”, disse Dionna.

A pandemia de Covid-19 serviu como uma espécie de treinamento para Glover, que irá continuar convivendo com o isolamento social e acompanhando os cultos pela internet.

“Nós fazemos muitos tipos de treinamento de equipe, e alguns deles são apenas para construir resiliência, para que você possa lidar com o isolamento”, disse Glover. “É importante ter diferentes formas de encontrar encorajamento e, para mim, minha família, minha igreja, minha Bíblia e as orações serão uma grande fonte disso”.

FONTE: RVG, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN CHRONICLE E G1

quarta-feira, 18 de novembro de 2020

Omã celebra Dia Nacional, enquanto a perseguição aos cristãos aumenta A data marca o período de renascimento do país

 

O país ocupa o 42º lugar na Lista Mundial da Perseguição 2020 como um dos países onde a hostilidade                                              aos cristãos acontece por parte de extremistas

No dia 18 de novembro é comemorado o Dia Nacional de Omã, país da Península Arábica. A data celebra o início do chamado “renascimento de Omã”, com a ascensão do sultão Qaboos Bin Said Al Said ao poder em 1970. O dia também festeja o aniversário do líder. Por mais que esse seja um dia de festa no país, a perseguição aos cristãos ainda é preocupante.

Os seguidores de Jesus no país enfrentam intensa pressão dos familiares e da sociedade para abandonarem a fé. Os cristãos convertidos do islamismo podem ser expulsos de casa e até perderem os empregos, por não negarem a Cristo. As igrejas do país também enfrentam restrições: devem ter registros nas autoridades locais e as reuniões são monitoradas para que não abordem temas políticos ou ofendam os nacionalistas.

As tensões sociais são maiores para as mulheres omanis, que estão em uma posição de maior vulnerabilidade. As mulheres ainda são vistas como propriedade de maridos e pais, sendo inferiorizadas perante a sociedade. O posicionamento religioso das mulheres é ignorado. Os homens cristãos, por sua vez, são fortemente pressionados no ambiente de trabalho e podem ser excluídos da sociedade e da família. 

De acordo com dados da Reuters, agência de notícias britânica, em Omã cerca de 120.000 cidadãos foram infectados pela COVID-19, e 1.350 vieram a óbito. O país realizou fechamento de muitas fronteiras, locais de trabalho, escolas, incentivando os cidadãos a ficarem em casa. O número de infecções e mortes no país tem diminuído a cada dia, o que permite que os líderes repensem as medidas de isolamento.

Pedidos de oração

  • No Dia Nacional de Omã, interceda para que a paz de Deus esteja sobre o país e a população seja protegida das ações dos extremistas.
  • Clame para que os cristãos sejam supridos em todas as necessidades e que eles compartilhem com os demais sobre o amor e o cuidado do Senhor.
  • Ore para que os governantes tenham sabedoria para governar o país, visando o bem de toda a população.
  • FONTE PORTAS ABERTAS.

terça-feira, 17 de novembro de 2020

É hora de tirar a oração do porão e colocá-la de volta no púlpito, diz evangelista A evangelista australiana Christine Caine exortou as igrejas a colocarem a oração, arrependimento e busca por santidade novamente no centro.

 

                            Christine Caine falou sobre oração e avivamento no evento virtual Q&A 2020. (Foto: Q Ideas)

A evangelista e autora australiana Christine Caine exortou as igrejas a formar pessoas cheias da santidade de Deus ao invés tentar parecer um ambiente cheio de pessoas “legais”. 

Caine é fundadora da Campanha A21, uma organização que combate o tráfico de pessoas. Na última quarta-feira (11), ela participou de um evento transmitido online ao lado dos pastores Jon Tyson e Corey Russell, onde falaram sobre oração e avivamento.

A evangelista australiana lamentou que a oração tenha sido colocada no “porão com as avós”, tendo perdido seu espaço de destaque. “Estou em uma luta para tirar a oração do porão e colocá-la no púlpito, e colocá-la na frente e no centro”, disse Caine. 

“Ficamos um pouco constrangidos porque, em nossa frieza, entre nossos jeans skinny e tatuagens, nossos belos equipamentos de luz e câmera, pensamos: ‘Orar não é legal, orar é constrangedor. Uma máquina de fumaça fará o trabalho’. E o que descobrimos é que as máquinas de fumaça não salvaram ninguém. Veja a bagunça em que o mundo está”, acrescentou.

A evangelista continuou: “Em vez de estar no mundo e não ser do mundo, nos tornamos do mundo e não estamos mais no mundo. Então o problema é que não temos poder, e o poder vem por meio da oração e da intercessão”, disse. “Não ligo se você não acha que sou legal. Eu sou totalmente dependente de Deus”.

Segundo Caine, o problema é que a Igreja moderna não está “desesperada” o suficiente para voltar a orar. “Olhe para 2020. A política não nos salvou, a medicina não nos salvou, a ciência não nos salvou. Eu amo todas essas coisas, mas precisamos do desespero da velha guarda”, observou.

Tirando o homem do centro

A Igreja está tão ocupada colocando “pessoas no centro” em vez do Espírito Santo que não consegue se concentrar em oração e arrependimento, avaliou Caine. Todo mover de Deus é “precedido de oração e arrependimento”, o que só vem do desespero, explicou a evangelista. 

“A cultura do cancelamento está tentando cancelar a Igreja”, afirmou. “Você não cancela a Igreja ou culpa a Igreja ou envergonha a Igreja para que ela se arrependa. O Espírito Santo nos convence. O que precisamos fazer colocar o Espírito Santo no centro novamente para que Ele possa fazer o que somente Ele pode fazer, que é trazer convicção”.

A evangelista observou que esta é uma geração que sabe vender sua imagem, mas não é “marcada por Deus no quarto de oração”.

                      Christine Caine durante o evento virtual Q&A 2020, ao lado dos pastores Jon Tyson e Corey Russell. (Foto: Q Ideas)

Questionada sobre o que impede um derramamento do Espírito Santo nesta geração, Caine respondeu que muitos líderes cristãos estão mais obcecados em “receber curtidas e cliques” do que em se tornar parecido com Cristo.

“De repente deixamos de valorizar coisas que são centrais para a fé cristã, como a santidade, a santificação, ser cheio do Espírito Santo”, disse ela. “A semelhança com Cristo é o que eu preciso buscar, mais do que quantos estão curtindo o que eu postei”.

“Eu preciso levar as pessoas a Jesus Cristo”, ela acrescentou. “Eu preciso me apaixonar por Ele. Se você não está com Ele, você não pode se apaixonar por Ele”.

Os líderes cristãos “precisam deixar de ser bons em construir carreiras” e “morrer diariamente, tomar sua cruz e crucificar sua carne”, declarou Caine. Ela acredita que, assim que a Igreja chegar a esse lugar de arrependimento, veremos “sinais, maravilhas, milagres e avivamentos”.

“Jesus realmente se preocupa com a justiça e santidade. Se queremos ver o avivamento irromper, tem que ser importante para nós, como é importante para Deus”, finalizou.

FONTE: RVG, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST


segunda-feira, 16 de novembro de 2020

“Foi a graça de Deus”, diz pastor após escapar de ser atingido por pedra de 4 toneladas Luke Barnett estava caminhando com a filha quando a pedra se desprendeu e rolou na direção deles.

                                              O Pr. Luke Barnett e sua filha Annalee, no hospital. (Foto: Reprodução / Instagram)

Um pastor americano escapou por pouco da morte depois de ser atingido por uma pedra de quatro toneladas. Luke Barnett, pastor sênior da Dream City Church em Phoenix, Arizona, estava caminhando com sua filha quando a enorme rocha se desalojou e começou a descer na direção deles.

"Meu pai me empurrou para fora do caminho e a pedra o esmagou", disse Annalee, filha de Barnett, em um vídeo momentos depois. "Eu vi [a pedra] passar por cima dele e parecia que havia esmagado sua cabeça."

Milagrosamente, a pedra passou raspando pelo pastor, errando sua cabeça por alguns centímetros.

O pastor Barnett caiu, sua camisa foi rasgada e seu corpo coberto de cortes e hematomas. “Como você está, pai?”, a filha pergunta. “Estou bem”, responde Barnett. “Foi apenas a graça de Deus que, de alguma forma, fez aquela pedra passar direto por cima de mim e não atingir meu crânio”.

Barnett ainda sofreu ferimentos graves com o impacto da rocha maciça. “Meu antebraço está quebrado”, acrescentou. “É um daqueles momentos em que você acha que não tem como sobreviver àquela ... aquela rocha passando por cima de você. Mas, Deus deve ter um plano muito maior guardado.”

Impossibilitado de andar, Barnett acabou sendo levado de avião para fora do local e tratado de seus ferimentos no hospital - ele sofreu três costelas quebradas no incidente, além de um antebraço e quadril quebrados. O pastor também exigiu 40 pontos em sua mão direita.

"Estamos no caminho da recuperação", escreveu ele mais tarde no Instagram, compartilhando fotos de si mesmo no hospital. "Eu sou muito grato por estar vivo e bem. Obrigado Jesus por salvar a mim e a minha filha com um milagre sobrenatural."

A dupla estava caminhando como parte de uma campanha de arrecadação de fundos para o Short Creek Dream Center da igreja, que apoia vítimas de tráfico humano. Apesar do trauma da experiência de quase morte de seu pai, Annalee continua a caminhar pela causa.

“Embora eu tenha alta e esteja em casa, isso não significa que a jornada da Aventure Sua Vida pare”, disse o pastor Barnett em um post no Facebook. "Como você sabe, Annalee Barnett continua na trilha do Arizona para terminar nossa caminhada de 800 milhas em um esforço para aumentar a conscientização e doar para o Short Creek Dream Center em Colorado City."

FONTE: rvg, COM INFORMAÇÕES DO PREMIER


sábado, 14 de novembro de 2020

A perseguição aos cristãos na Etiópia Islamismo radical é ameaça para o cristianismo na Etiópia, um dos primeiros países cristãos do mundo

 

Ore pelos cristãos perseguidos na Etiópia, para que tenham raízes profundas em Cristo e, assim, possam                                                  enfrentar a perseguição com sabedoria

Os tipos de perseguição que predominam na Etiópia, país africano, são a opressão islâmica, o protecionismo denominacional, a paranoia ditatorial e o antagonismo étnico (como um “bairrismo” entre as diferentes etnias presentes no país). Apesar de a Etiópia ser um país de maioria cristã e, na verdade, um dos primeiros países cristãos do mundo, o islamismo radical está crescendo nos níveis local, regional e nacional. Principalmente em áreas rurais, onde os muçulmanos são a maioria, cristãos ex-muçulmanos são marginalizados e têm os direitos familiares negados, como herança e custódia dos filhos.

A média de pressão aos cristãos na Etiópia está em um nível alto de 10,2 pontos, muito similar ao ano anterior. Exceto pela esfera da vida da família, não há onde a pressão aos cristãos marque menos de 10 pontos, o que mostra que, apesar da Etiópia ser um país de maioria cristã, os cristãos locais enfrentam altos níveis de perseguição. A pontuação para violência caiu 1,6 pontos, dos 13,5 do ano anterior. A principal razão para essa queda é que houve menos mortes no período de análise de 2020 (1 de novembro de 2018 a 31 de outubro de 2019).

O protecionismo denominacional se revela no fato de a Igreja Ortodoxa Etíope (IOE), reconhecida pelo governo, se opor às atividades de igrejas evangélicas, que considera como seguidores de uma religião ocidental e, assim, uma ameaça à cultura do país. A Igreja Ortodoxa Etíope (IOE) tem um papel único no contexto da perseguição, pois ao mesmo tempo em que é perseguida, também persegue. A IOE enfrenta perseguição por parte do governo e do radicalismo islâmico. Em áreas onde o tribalismo é dominante, também há pressão sobre a IOE. Cristãos ortodoxos estão mais concentrados nas regiões norte e central do país. Por sua vez, a IOE persegue os cristãos evangélicos, por vê-los como uma influência ocidental.

No que diz respeito à paranoia ditatorial, nos últimos anos, o governo tem se tornado mais autoritário e restringido os direitos da sociedade civil e de instituições religiosas. O governo também tem incentivado ressentimento em relação ao cristianismo entre alguns grupos étnicos. Algumas tribos exigem que os cristãos participem de confrontos tribais e sofram retaliação caso se neguem a fazê-lo – e assim se manifesta o antagonismo étnico.

Um pesquisador sobre a Etiópia relata que países muçulmanos “continuam a investir fundos consideráveis que são usados para espalhar o islã através do estabelecimento de escolas de ensino religioso, ajuda direta aos necessitados, colocando a conversão ao islã como uma condição”. Por causa de conflitos que resultaram de ações de grupos radicais islâmicos em certas partes do país, cristãos foram mortos, feridos e forçados a fugir de casa, entre outras injustiças enfrentadas.

A opressão islâmica parte de líderes muçulmanos, através de sermões e aprovação de discriminação contra cristãos. Relatos dão conta de que alguns líderes islâmicos estão envolvidos em incitar a violência contra cristãos. Assim, todas as comunidades cristãs do país enfrentam perseguição, o que varia são as fontes e os níveis em que ela se apresenta. Por isso, a Etiópia, que ocupa a 39ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2020, precisa das nossas orações.

FONTE PORTAS ABERTAS.


sexta-feira, 13 de novembro de 2020

Arqueólogos encontram fortaleza do tempo do rei Davi, em Israel De acordo com profissionais da Autoridade de Antiguidades de Israel, a fortaleza descoberta na região do Golã pertencia a um reino que tinha boas relações com o reinado de Davi.

 

Escavações na área de Hispin têm levado a novas descobertas em Israel. (Fotos: Yaniv Berman / Autoridae de Antiguidades de Israel)

Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA) informou que suas escavações na região do Golã revelaram uma fortaleza da época do Rei Davi, durante os séculos 11 a 10 aC. Este complexo fortificado único levanta novas questões de pesquisa sobre o assentamento de Golan na Idade do Ferro.

Os arqueólogos acreditam que o forte foi construído pelo reino de Gesur, um aliado do rei Davi, para controlar a região. A escavação foi realizada antes da construção de um novo bairro em Hispin e financiada pelo Ministério da Habitação e Construção e pelo Conselho Regional do Golã, com a participação de muitos residentes de Hispin e Nov, e alunos das academias pré-militares de Natur, Kfar Hanasi, Elrom, Metzar e Qaztrin.

De acordo com Barak Tzin e Enno Bron, diretores de escavação em nome do IAA, a localização da Fortaleza tinha como objetivo possibilitar uma melhor visão da área.

“O complexo que expusemos foi construído em uma localização estratégica no topo da pequena colina, acima do cânion de El-Al, com vista para a região, em um local onde era possível para atravessar o rio. As paredes de forte de 1,5 m de largura, construídas com grandes blocos de basalto, circundavam a colina. Na escavação, ficamos surpresos ao descobrir um achado raro e emocionante: uma grande pedra de basalto com uma gravura esquemática de duas figuras com chifres e braços abertos. Também pode haver outro objeto próximo a eles”, disseram.

Descobertas em Betsaida

Uma figura esculpida em uma estela (coluna) de pedra foi encontrada no Projeto de Expedição Betsaida em 2019, dirigido pelo Dr. Rami Arav da Universidade de Nebraska, em Betsaida, ao norte do Lago Kinneret (Mar da Galiléia). A peça, que representa uma figura chifruda com braços abertos, foi erguida ao lado de uma plataforma elevada adjacente ao portão da cidade. Esta cena foi identificada por Arav como representando o Culto ao Deus da Lua. A pedra Hispin estava localizada em uma prateleira próxima à entrada, e não uma, mas duas figuras estavam retratadas nela.

De acordo com os arqueólogos, “é possível que uma pessoa que viu a impressionante estela de Betsaida tenha decidido criar uma cópia local da estela real”.

A cidade fortificada de Betsaida é considerada pelos estudiosos a capital do reino arameu de Gesur, que governou o centro e o sul de Golã há 3.000 anos. De acordo com a Bíblia, o reino mantinha relações diplomáticas e familiares com a Casa de Davi e uma das esposas de Davi era Maacah, filha de Talmi, rei de Gesur.

Cidades do reino de Gesur foram encontradas ao longo da costa de Kinneret, incluindo Tel En Gev, Tel Hadar e Tel Sorag, mas esses locais são raros no Golã.

Agora, os arqueólogos pesquisarão a possibilidade de que o reino de Gesur tivesse uma presença no Golã mais extensa do que se pensava anteriormente.

Após esta descoberta, alterações nos planos de desenvolvimento serão realizadas em conjunto com o Ministério da Habitação e Construção para que a única fortaleza não seja danificada. O complexo deve se desenvolver como um espaço aberto junto à margem do rio El-Al, onde serão desenvolvidas atividades arqueológicas pedagógicas, como património cultural e uma ligação com o passado. Isso se alinha com a política do IAA de que aprender o passado através do trabalho no campo fortalece os laços da geração mais jovem com suas raízes.

FONTE: rvg, COM INFORMAÇÕES DO JERUSALEM POST


quinta-feira, 12 de novembro de 2020

Carta de pastor que se afogou enquanto pregava no Titanic será leiloada Sobrevivente do barco relatou sua conversão durante pregação do pastor John Harper, que morreu na tragédia.

 

                                                  John Harper [destaque] e imagem do Titanic naufragando. (Foto: Montagem)

Uma carta escrita por um pastor batista da Escócia que se afogou quando o navio RMS Titanic naufragou, no norte do Oceano Atlântico em 1912, será leiloada neste fim de semana.

John Harper, que escreveu a carta, era um ministro de 39 anos na época e estava a caminho de Londres para Chicago para visitar sua irmã e sobrinha quando o transatlântico desceu ao fundo do oceano depois de bater em um iceberg.

Harper estava escrevendo para outro ministro, o pastor Young, que liderava a Igreja Batista Paisley Road, agradecendo-lhe por sua ajuda antes de Harper partir de Londres.

Harper pastoreava a Walworth Road Baptist Church em Londres e supostamente iria pregar na Moody Church.

“Meu querido irmão Young, estou escrevendo esta linha antes de chegarmos a Queenstown para assegurar-lhe que não me esqueci de você, especialmente de toda a sua gentileza enquanto estávamos no norte”, diz a carta.

“Eu pretendia enviar as passagens de trem da Sra. Pratt um pouco antes de partir, mas, com a pressa, o que foi excepcional, tendo feito 11 ou 12 cultos no fim de semana, não consegui terminar. Vou mandar de Chicago”, esclareceu.

A carta foi escrita em papel timbrado do Titanic e data de 11 de abril de 1912, três dias antes do afundamento do famoso navio. Ela foi enviada de Queenstown, Irlanda.

A carta será vendida em um leilão no sábado por um colecionador particular através de Henry Aldridge & Son Ltd, uma casa de leilões. O preço inicial de pré-venda está entre US$ 39.487,05 e US$ 65.811,75.

Mensagem do Evangelho

Segundo relatos, o jovem ministro pregou a mensagem do Evangelho enquanto o Titanic afundava e testificou na água enquanto ele se afogava, dizem os relatos contemporâneos.

Um sobrevivente sem nome do acidente do Titanic que foi resgatado por um bote salva-vidas afirmou ser "o último convertido" da pregação de Harper em uma reunião para sobreviventes quatro anos após a tragédia.

Em 2017, uma carta que foi recuperada do corpo de uma vítima do Titanic foi vendida em um leilão por US$ 166.000.

O RMS Titanic afundou em sua viagem inaugural de Southampton para Nova York, e 1.523 pessoas morreram no acidente.

Em 1997, o filme "Titanic" - dirigido, escrito e coproduzido por James Cameron - se tornou um dos filmes de maior bilheteria. Estrelado por Leonardo DiCaprio e Kate Winslet, o filme foi o primeiro da história a atingir a marca de US$ 1 bilhão e foi indicado a 14 Oscars, ganhando 11 deles.

FONTE: rvg, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST



quarta-feira, 11 de novembro de 2020

Encoraje crianças da Ásia Central Envie desenhos para fortalecer crianças cristãs perseguidas

 

É proibido contar histórias bíblicas para as crianças na Ásia Central, as encoraje enviando um desenho

Crianças dos países da Ásia Central, como AzerbaijãoCazaquistãoQuirguistãoTajiquistãoTurcomenistão e Uzbequistão, não podem brincar na escola com outras crianças ou viverem uma rotina alegre e segura, o que qualquer criança deveria ter. Ao invés disso, elas convivem com medo de ter um dos pais presos ou até mortos por causa da fé em Jesus.

O Tajiquistão é um dos países mais pobres da Ásia Central, onde 20% trabalha em países próximos, como Rússia e Cazaquistão. O país ocupa a 31ª posição na Lista Mundial da Perseguição (LMP). O governo do país impõe leis cada vez mais severas, principalmente nos grupos “divergentes”, como os cristãos. Os cristãos ex-muçulmanos enfrentam ataques, ameaças e prisões, o que amedronta as crianças do país.

Desde pequeno, um as crianças no Tajiquistão começam a ser privadas de educação religiosa e até os 10 anos não pode participar de atividades relacionadas à fé. Caso isso aconteça, os pais e a comunidade onde vive são multados. Nos demais países da Ásia Central também é proibido contar histórias bíblicas ou de cunho religioso para as crianças. Elas também não podem participar de eventos cristãos e só é permitido a pregação para elas quando completam 18 anos. As crianças enfrentam hostilidade por parte dos familiares, vizinhos e sociedade.

Fortaleça crianças do Tajisquistão e de toda a Ásia Central

Convidamos nossos parceiros a enviar desenhos para encorajar os pequenos cristãos a manterem a fé em Jesus. Eles não entendem muito bem o que está acontecendo, mas podem sentir o amor dos irmãos e irmãs ao redor do mundo por eles. Mostre que há quem se importe com eles e que não estão sozinhos, mesmo em situações de adversidade. Confira as orientações e envie desenhos para as crianças. Lembramos que o prazo para o envio dos cartões encerra no dia 30 de novembro. Envie logo o seu desenho!

FONTE PORTAS ABERTAS.

terça-feira, 10 de novembro de 2020

Cristãos fazem doações à população afetada por apagão no Amapá A agência humanitária cristã ADRA Brasil entregará água para mais de 2 mil pessoas como parte da resposta inicial. Nos próximos dias, o foco estará na arrecadação de alimentos.

 

                       Voluntário carrega doações durante uma das ações realizadas pela agência humanitária (Foto: ADRA Brasil)

A população do Amapá ficou sem energia elétrica na última terça-feira (3) depois que um incêndio atingiu três geradores de eletricidade da principal subestação do estado, em Macapá. O apagão chega ao 7º dia nesta segunda-feira (9).

Segundo o Ministério de Minas e Energia, 14 dos 16 municípios amapaenses foram afetados pela falta de energia elétrica, afetando diretamente cerca de 700 mil pessoas. Isso representa 85% da população de 829.424 habitantes do Amapá.

A falta de eletricidade gerou problemas no fornecimento de água potável e nas telecomunicações, além de filas nos postos de combustíveis e prejuízos ao comércio.

Em uma resposta inicial à crise, a ADRA Brasil, a agência humanitária da Igreja Adventista do Sétimo Dia, irá fornecer água para 450 famílias amapaenses, enquanto avalia outras necessidades dos moradores. 

“Ainda temos incertezas sobre qual é a melhor forma de ajudar essas pessoas. Hoje sabemos que as famílias precisam, principalmente, de água e comida. Nossa primeira resposta irá neste caminho”, disse André Alencar, coordenador de emergências da ADRA Brasil.

No sábado, a ADRA, que está presente em mais de 130 países, iniciou uma campanha de arrecadação de fundos através de suas redes sociais. Nos próximos dias, o foco estará na doação de alimentos para os atingidos.

O fornecimento de energia começou a se normalizar em 13 dos 16 municípios do estado. Como solução provisória, o governo estabeleceu um rodízio do fornecimento de luz por regiões, com duração de 6 horas. De acordo com o G1, no entanto, há locais onde a energia voltou por apenas 2 horas.

FONTE: rvg, COM INFORMAÇÕES DO NOTÍCIAS ADVENTISTAS

sexta-feira, 6 de novembro de 2020

Terroristas atacam vilarejo cristão durante culto e matam 12 pessoas, na Nigéria Os terroristas invadiram o vilarejo no horário dos cultos matinais. Além de matar 12 moradores, o grupo também sequestrou mulheres e crianças.

A perseguição sofrida por cristãos na Nigéria já tem sido considerada genocídio em diversos relatórios entregues por organizações de direitos humanos à ONU. (Foto: AP)

Terroristas islâmicos no nordeste da Nigéria atacaram um vilarejo predominantemente cristão perto de Chibok, estado de Borno, na manhã de domingo (1 ° de novembro), matando 12 cristãos e sequestrando mulheres e crianças, disseram fontes.

Em Takulashi, a menos de 16 quilômetros de Chibok, onde os terroristas do Boko Haram sequestraram 276 meninas cristãs em 2014, os agressores chegaram com armas automáticas em seis caminhões de armas e três veículos pesados ​​e atiraram contra qualquer um que estivesse à vista, disse o morador da área Ishaku Musa.

“Eles também incendiaram casas e saquearam alimentos de nossas casas”, disse Musa à agência Morning Star News por mensagem de texto. “Ao final dos tiroteios e saques, que duraram cerca de duas horas, 12 pessoas da nossa comunidade foram mortas, três mulheres foram sequestradas e também quatro crianças foram sequestradas pelos agressores do Boko Haram”.

O pastor de uma igreja local estava entre os mortos. Os moradores suspeitaram que os agressores eram militantes do Boko Haram, que visa impor a Sharia (lei islâmica) em toda a Nigéria, já que o grupo é conhecido por atacar aldeias e comunidades cristãs, enquanto um grupo dissidente do Boko Haram, a província do Estado Islâmico da África Ocidental (ISWAP), geralmente ataca instalações militares.

Os terroristas invadiram o vilarejo por volta das 9h, pela manhã, quando os cultos estavam ocorrendo, disse Musa.

O Rev. Zakariya Musa da Igreja dos Irmãos na Nigéria (Ekklesiyar Yan'uwa a Nigéria, EYN), disse que nove das 12 pessoas mortas eram membros de sua igreja, e que um dos outros três mortos era o pastor da congregação da Igreja de Cristo nas Nações (COCIN). Ele chamou as outras duas pessoas mortas de “vigilantes”, defensores que teriam vindo de dentro da comunidade cristã.

Musa disse em um comunicado aos membros da igreja que muitos cristãos da vila ainda estavam desaparecidos. Uma equipe da EYN estava dando bolsas de estudo para órfãos em Chibok, que perderam os pais devido aos ataques do Boko Haram, quando receberam a notícia de que os mortos eram “nove membros da EYN, dois vigilantes e um pastor da igreja COCIN”.

Das 276 meninas que Boko Haram sequestrou de uma escola secundária em Chibok predominantemente cristã em abril de 2014, 57 escaparam do cativeiro e 107 foram libertadas após negociações do governo, enquanto 112 ainda estão sob poder dos terroristas.

Genocídio na Nigéria

Em 30 de janeiro, a ‘Christian Solidarity International’ (CSI) emitiu um alerta de genocídio para a Nigéria, conclamando o Membro Permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas a agir. A organização cristã emitiu o apelo em resposta a "uma onda crescente de violência dirigida contra os cristãos nigerianos e outros classificados como‘ infiéis ’por militantes islâmicos nas regiões do cinturão central e norte do país’”.

A Nigéria ficou em 12º lugar na Lista da Portas Abertas (EUA) para 2020 de países onde os cristãos sofrem mais perseguição, mas o segundo lugar em número de cristãos mortos por causa de sua fé, estando somente atrás do Paquistão.

FONTE: rvg, COM INFORMAÇÕES DO MORNING STAR NEWS

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

NOSSOS OUVINTES,ONLINE, PELO MUNDO

Flag Counter

Cerca de 90 cristãos são expulsos de aldeia em Bangladesh Interceda pelas famílias, que estão convictas na decisão de não negar a Jesus, apesar da perseguição

  Os cristãos não são aceitos como parte da comunidade e não podem ter contato com os outros aldeões No Sudoeste de  Bangladesh , 21 família...